Taxa de administração oculta pode comer sua aposentadoria

Você sabe quanto está pagando pelo seu plano de aposentadoria? Na hora de comprar um plano de previdência privada (PGBL) de uma instituição financeira, muitos investidores não são informados sobre todos os custos.

Cálculos feitos por especialistas mostram que, ao longo de 20 anos, o investidor poderá pagar em taxas o equivalente a um terço do que conseguiu juntar para a aposentadoria. Em 30 anos, o desembolso com as taxas pode representar até metade da poupança. Muitos investidores acham que o seu plano lhe cobra apenas 1% de taxa sobre o valor da contribuição mensal, chamada de carregamento. Há, ainda, uma taxa de gestão financeira de 3,5% ao ano sobre todo o patrimônio.

A taxa de carregamento serve, por exemplo, para cobrir custos com a venda dos planos (comissão de corretores) e o envio de documentos obrigatórios. Já a taxa de gestão financeira é cobrada pelo fundo de investimento (de renda fixa ou de ações) que recebe as aplicações do PGBL. Ela banca despesas do fundo, como a emissão de extrato e os resgates. Acaba ficando oculta. Ao contrário da taxa de carregamento, que é cobrada no ato da aplicação, a taxa de gestão financeira é descontada da rentabilidade e não aparece nos extratos. ”

Essa taxa de gestão financeira acaba comendo a rentabilidade da carteira e, dependendo do desempenho do fundo, até o principal aplicado”, afirma Newton Conde, consultor da Atual, que presta assessoria atuarial na área de previdência social e privada. Segundo cálculos da Atual, nos primeiros anos a taxa de gestão financeira pesa menos do que a de carregamento, pois o patrimônio do fundo ainda é pequeno. Mas, no decorrer dos anos, essa relação muda drasticamente.

Oculta
O Prever Salário, PGBL vendido pela Unibanco AIG Previdência, cobra taxa de carregamento de 3,5% sobre cada contribuição e mais 3,5% ao ano de taxa de gestão financeira. Quem faz uma contribuição mensal de R$ 200, pagará no primeiro ano R$ 84 em taxa de carregamento e R$ 44, de gestão financeira. No vigésimo ano, o investidor acumulará poupança de R$ 60.143. Mas, terá pago R$ 1.680 de carregamento e R$ 19.352 de gestão financeira.

“Além de estarem muito altas, essas taxas não são devidamente explicitadas na publicidade de muitos planos”, diz Conde. Para Eder Carvalhaes, da Consultoria William Mercer, as taxas cobradas nos planos individuais de previdência no Brasil são maiores do que nos Estados Unidos. “Aqui a estrutura de custos é mais pesada e nem sempre tão clara para os consumidores”, diz. Carvalhaes orienta seus clientes (empresas que oferecem planos de aposentadoria a seus funcionários) a pedirem às seguradoras ou entidades de previdência para colocar no contrato todas as taxas.

A preocupação é justificada. Há dois documentos envolvidos na compra de um plano de previdência. A proposta de inscrição _ na prática o contrato que a pessoa assina – e o regulamento do plano. O regulamento do PGBL aprovado pela Susep _ que regulamenta e fiscaliza os planos de previdência privada – apenas divulga a taxa de carregamento. Não faz menção à taxa de gestão financeira. O texto é comum e obrigatório a todos os planos. Já a proposta de inscrição varia de uma instituição para outra. E nem sempre inclui a taxa de gestão financeira. ”

www.aescolhacerta.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *