Pior momento da pandemia requer cuidado de todos

1
266

 

No próximo dia 11 de março de 2021 fará um ano que a Organização Mundial da Saúde – OMS declarou a Pandemia de Coronavírus. E é justamente agora que o Brasil está vivendo o pior momento no enfrentamento da doença. Depois de crises localizadas em regiões distintas, a superlotação de hospitais acontece de forma simultânea em vários estados. O pior cenário que se poderia imaginar.
Fevereiro de 2021 foi o segundo mês com mais mortes durante toda a pandemia, com 30.484 óbitos no Brasil, mesmo após o começo da vacinação e mesmo sendo um mês com menos dias que os demais. O pior foi julho de 2020, quando foram perdidas 32.912 vidas.
Santa Catarina iniciou março com todas as regiões em situação ”gravíssima” para o risco de contágio e o sistema de saúde está esgotado, com filas de pacientes que precisam de internações em leitos e UTIs.
A doença que parecia atingir mais os idosos, se espalha por todas as faixas etárias, incluindo jovens e crianças, situação que se agravou com o retorno às aulas presenciais.
Ritmo de Vacinação
Sem nenhum tipo de tratamento ou medicação cientificamente comprovados, todas as expectativas de superação da pandemia estão concentradas na vacinação.
No entanto, o ritmo de vacinação no Brasil ainda é moroso, tendo um calendário de vacinação pressionado pela falta de doses.
O Brasil demorou a tomar a iniciativa de aquisição e aprovação de vacinas e hoje amarga a escassez. Mesmo com ampliação do número de fornecedores, os fabricantes vão demorar a entregar lotes volumosos, alguns só chegando no final de 2021.
Mesmo com o início da imunização o controle da situação deve demorar vários meses e, neste período, o DISTANCIAMENTO SOCIAL e o USO DE MÁSCARAS, continuam sendo as medidas mais efetivas e recomendadas pelas autoridades sanitárias.

CASANPREV

Desde o início da pandemia a CASANPREV está operando totalmente alinhada com as diretrizes sanitárias, de forma a proteger seus participantes, seus colaboradores, diretores e conselheiros e assim, contribuir socialmente com a contenção da circulação do vírus.
As medidas sanitárias não impactaram as operações da fundação que continua prestando todos os serviços e mobilizando remotamente toda a equipe já perfeitamente adaptada às novas metodologias de trabalho.
Cuidados necessários
Diante deste cenário, mais do que nunca, tomar todos os cuidados para preservar a saúde de cada um, das famílias e da sociedade é importante. Cuidar de si é cuidar de todos. Siga as orientações das autoridades:

SE PUDER, FIQUE EM CASA – A medida mais segura e eficiente é o isolamento. Se você tiver a oportunidade de trabalhar em casa, prefira esta opção. Em todos os demais casos, só saia de casa para situações de extrema necessidade, sempre usando máscara e mantendo distância de pelo menos 1,5 metro de outras pessoas. Locais sem ventilação devem ser evitados ao máximo.

USE MÁSCARA – Trata-se de um cuidado simples e de grande eficácia. Diversos estudos comprovam que o uso de máscaras reduz significativamente o risco de contágio. Não há nenhum efeito colateral associado ao uso de máscaras.

USE ÁLCOOL EM GEL – Use e tenha sempre a mão álcool em gel para higienizar as mãos sempre que tocar em pessoas ou objetos não esterilizados.

EVITE AGLOMERAÇÕES – Se precisar sair de casa, evite permanecer em espaços com muitas pessoas paradas ou circulando. Procure não ficar em filas, especialmente as que não forem organizadas com o devido espaçamento entre as pessoas.

QUANDO PUDER, VACINE-SE – Acompanhe a ordem de vacinação de sua cidade e veja quando vai chegar a sua vez. Vacine-se assim que for possível. A vacinação é a única possibilidade concreta de conter a pandemia e todas elas são submetidas a controles de segurança e eficácia altamente rigorosos e de padrões internacionais.

COMBATA A DESINFORMAÇÃO – Além do vírus em si, há que se combater a verdadeira epidemia de desinformações. Uma quantidade enorme de notícias falsas sobre a pandemia circulam, especialmente desqualificando as vacinas, o distanciamento social e o uso de máscaras. Não repasse este tipo de informação e, se possível, denuncie aos canais competentes. Cultive o hábito de verificar a fonte das informações.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui